Cinto no banco de trás

Segurança - 02 de abril de 2022 - Imagem: Reprodução | Google Imagens

Rodrigo Mussi, ex-BBB, viajava em um carro de motorista de aplicativo que perdeu o controle e bateu o veículo na traseira de um caminhão. Segundo informações preliminares, Rodrigo estava sem cinto de segurança no banco de trás. Em entrevista, o motorista afirmou não se lembrar de como o acidente aconteceu e disse acreditar que tenha cochilado. Com o impacto, Rodrigo foi projetado para fora do carro.

USO DE CINTO DE SEGURANÇA É FUNDAMENTAL

Mesmo sendo de uso obrigatório previst no Código de Trânsito Brasileiro, somente 54,6% da dos passageiros usam o cinto de segurança no banco traseiro dos automóveis, segundo a Pesquisa Nacional de Saúde - PNS do IBGE, divulgada em 2021. Já nas áreas rurais, o índice cai para apenas 44,8%. Ainda de acordo com a pesquisa, o uso correto do equipamento por todos os ocupantes do veículo pode reduzir em até 70% as lesões graves e as mortes.

"Os passageiros têm a falsa sensação de que o banco da frente serve como proteção em caso de acidente. Só que a força que uma pessoa recebe em uma colisão é cerca de 35 vezes o seu peso e não há banco que possa pará-la. Quando há uma pessoa no banco da frente, o resultado pode ser ainda mais grave, pois o passageiro projetado com o impacto, esmaga a pessoa sentada à frente e os dois podem ficar gravemente feridos", explica Alysson Coimbra, diretor científico da Associação Mineira de Medicina do Tráfego - AMMETRA.

FALTA DE REGULAMENTAÇÃO

Outro problema que merece atenção do poder público é a regulamentação das jornadas de trabalho dos motoristas de aplicativo. "Diante das altas consecutivas do combustível, o rendimento dos motoristas caiu e isso acaba os obrigando a dobrar jornadas para ter uma remuneração minimamente digna", coloca.

Embora ainda não seja possível afirmar há quanto tempo ele estava dirigindo, o motorista admite que cochilou ao volante, um sinal de cansaço. "Como a atividade de motorista de aplicativos não é regulamentada, não se aplica a esses profissionais a lei que estabelece pausas para descanso durante e entre as jornadas de trabalho", completa Coimbra.

Em março de 2020, a UBER adicionou um recurso que impede que os motoristas do aplicativo permaneçam mais de 12 horas online conduzindo o veículo. Quando o limite é atingido, o app suspende o motorista da plataforma pelas próximas 6 horas. Já o aplicativo 99app, que mediava a viagem de Rodrigo Mussi, não tem o mesmo mecanismo ou qualquer outro que limite o tempo que o motorista permanece fazendo corridas.

Outro impasse é que alguns motoristas utilizam mais de uma plataforma para mediar suas viagens. Assim, mesmo que ele seja suspenso de um app, ele poderá migrar para outro, um costume comum entre os motoristas de aplicativos para garantir maior rentabilidade.

Vale frisar que 90% dos acidentes de trânsito são provocados por fatores humanos, revelam dados do Observatório Nacional de Segurança Viária - ONSV. "Quando o passageiro contratar um serviço de transporte, além de usar o cinto de segurança, é imprescindível ficar atento durante todo o percurso. Ao mínimo sinal de imperícia do motorista ou alteração em seu estado geral, interrompa a viagem e busque abrigo em local seguro. Essa certamente é uma atitude que salva-vidas", completa o médico especialista em Medicina do Tráfego.

MAIS ACIDENTES

Após o acidente de Rodrigo Mussi, a influenciadora Maria Venture usou suas redes sociais para revelar que enfrentou uma situação parecida. Na última sexta-feira (1º), a morena assustou seus seis milhões de seguidores no Instagram ao postar uma foto com a legenda: "Oi, gente, estou no hospital de novo".

Logo em seguida, Maria explicou o ocorrido: "Peguei uma corrida por aplicativo e uma van bateu atrás do carro. Eu estava sem cinto [de segurança], encostada na porta. Felizmente não me machuquei pra valer, mas bati o tórax, cabeça e machuquei um pouco o coro cabeludo com o estilhaço do vidro", contou em seus Stories.

"Mas está tudo bem! Não desmaiei e nem perdi a consciência, porém tive algumas reações e vou ter que fazer uma tomografia para descartar algumas coisas. Estou aqui tomando medicação na veia para dor", tranquilizou a youtuber.

Maria finalizou a sequência de postagens com um alerta aos seguidores sobre o uso do cinto de segurança: "Graças a Deus estou bem e não ocorreu nada grave. Vi também o que aconteceu com o Rodrigo, e agora eu realmente aprendi que preciso sim usar cinto de segurança atrás. Por favor, não deixem o pior acontecer com vocês para aprenderem isso", declarou.

 

» Participe do grupo do Jornal eCuesta no WhatsApp » chat.whatsapp.com/JyUrDbCIyzy6aIUDnyAmAF/
» Curta a página do Jornal eCuesta no Facebook » www.facebook.com/jornal.ecuesta/
» Siga o Jornal eCuesta no Twitter » https://twitter.com/Jornal_eCuesta
» Acompanhe o Jornal eCuesta no Telegram » https://t.me/jornalecuesta
» Siga o Jornal eCuesta no Instagram » https://www.instagram.com/jornalecuesta/