Documento original é único para referência

Do lado esquerdo, uma estante com centenas de pastas suspensas arquivadas. Do lado direito, uma estante com pastas pretas para arquivo. Ao centro a imagem de um computador e um DVD-R

Precisamos entender a verdadeira virtude e foco da digitalização e nos fazermos o seguinte questionamento: O que realmente querem ao digitalizar um documento original?

A forma de como está sendo abordado e tratado o advento da digitalização de documentos atualmente entendo como: Em primeiro como sendo seu foco o de agilizar o processo de acesso e muito em último plano o de auxiliar a preservação de documentos originais e com isso um erro gravíssimo, o descarte e eliminação do documento original depois de digitalizado, enquanto vemos uma enxurrada de normas em todos os setores e Projetos de Lei em defesa da digitalização de documentos em prol de redução de custos, porém infelizmente com o prisma totalmente desfocado, querendo enfiar a todo custo goela abaixo da sociedade sem ao menos enxergarem o grande malefício que causará.

O fato de digitalizar o documento para agilidade ao acesso fica claro que é uma excelente opção, porém para o fato de preservação há que se tomar os devidos cuidados técnicos tanto com a cópia digitalizada quanto com o original sem descarta-lo, digo isto pois o original é a única referência para verificação de que não houve adulteração em sua cópia ou que até o próprio original não tenha sofrido qualquer adulteração, e é devido a esta questão que não se pode descartar o original.

Pois após a eliminação do original como poderemos verificar a autenticidade e fidedignidade, como poderemos provar que não houve qualquer tipo de adulteração na cópia ou no próprio original antes deste ser digitalizado?

O pessoal envolvido na digitalização é capacitada para verificar estas questões, são capazes de identificar qualquer tipo de adulteração apenas de olhar sem um aprofundamento de análise técnica pericial?

Não vejo necessidade de se aprofundar em questionar ainda mais sobre o problema após os questionamentos acima, porém é claro que se faz necessário questionar a metodologia, cuidados técnicos, pessoal envolvido entre tantos outros quesitos necessários para a segurança da digitalização de qualquer documento original e seu suporte.

Está muito claro que a preservação do documento original o torna único e como única referência para verificação de que não houve adulteração em sua cópia ou que até o próprio original não tenha sofrido qualquer adulteração.

Por: Ronaldo Ceravolo para o Jornal eCuesta
Imagem: Reprodução | Internet

Ronaldo Ceravolo
Bacharel em Arquivologia pela Universidade Federal do Espírito Santo
Consultor e Gestor de Documentos, Informações e Dados
Pesquisador em Gestão de Documentos, Informações e Dados

Blog: Mundo Arquivístico
Facebook: https://www.facebook.com/ronaldoceravolo