O que é Empatia?

Por: Feminices | Jornal eCuesta
Em: Domingo, 22 de Setembro de 2019
Imagem: Reprodução | Internet

Apesar da simpatia e da empatia serem palavras que possuem alguma relação, em seus significados elas são completamente diferentes.

A empatia remete a uma conexão com o outro, onde é possível, compreender as emoções alheias, enxergar como o outro vê e sente. Já a simpatia se refere a ter uma espécie de afeição por alguém, mesmo sem conhecer esta pessoa com mais afinco.

O QUE É EMPATIA

Empatia significa a capacidade psicológica para sentir o que sentiria uma outra pessoa caso estivesse na mesma situação vivenciada por ela. Consiste em tentar compreender sentimentos e emoções, procurando experimentar de forma objetiva e racional o que sente outro indivíduo.

A empatia leva as pessoas a ajudarem umas às outras. Está intimamente ligada ao altruísmo - amor e interesse pelo próximo - e à capacidade de ajudar. Quando um indivíduo consegue sentir a dor ou o sofrimento do outro ao se colocar no seu lugar, desperta a vontade de ajudar e de agir seguindo princípios morais.

A capacidade de se colocar no lugar do outro, que se desenvolve através da empatia, ajuda a compreender melhor o comportamento alheio em determinadas circunstâncias e a forma como outra pessoa toma as decisões.

Com origem no termo em grego empatheia, que significava "paixão", a empatia pressupõe uma comunicação afetiva com outra pessoa e é um dos fundamentos da identificação e compreensão psicológica de outros indivíduos.

O QUE É UMA PESSOA EMPÁTICA?

Ser empático é se identificar com outra pessoa ou com a situação vivida por ela. É saber ouvir os outros e se esforçar para compreender os seus problemas, suas dificuldades e as suas emoções.

Quando alguém diz "houve uma empatia imediata entre nós", isso significa que houve um grande envolvimento, uma identificação instantânea. O contato com a outra pessoa gerou prazer, alegria e satisfação. Houve compatibilidade. Nesse contexto, a empatia pode ser considerada o oposto de antipatia.

Para ser empático é preciso conseguir ultrapassar as barreiras do egoísmo, do preconceito ou do medo do que é desconhecido ou diferente. Para que uma pessoa consiga exercer a empatia é preciso retirar a atenção de seus próprios problemas e manter seu foco de atenção na outra pessoa.

EMPATIA NAS RELAÇÕES

A empatia pode ocorrer em todos os tipos de relacionamentos humanos: nas relações familiares, nas amizades, no ambiente de trabalho e até mesmo com pessoas desconhecidas. É um sentimento indispensável para melhorar a qualidade da comunicação e do relacionamento entre as pessoas.

Nas relações pessoais a empatia pode ser fundamental para a compreensão de dificuldades das pessoas com quem se convive, ajudando a diminuir e evitar conflitos. O mesmo pode ocorrer no ambiente de trabalho, já que a empatia pode ajudar que um colega compreenda as dificuldades enfrentadas por outro.

A empatia entre pessoas que não se conhecem é a mais difícil de ocorrer, já que se caracteriza por um sentimento de compreensão com uma pessoa com quem não existe nenhum vínculo de afeto.

Entretanto, é importante saber que a empatia é um sentimento que pode ser praticado. Uma das maneiras de exercitar a empatia é treinar manter um olhar de afeto sobre as necessidades de outras pessoas.

EMPATIA NA PSICOLOGIA

Na área da psicologia a empatia é fundamental para o sucesso da relação entre o paciente e o terapeuta. Para que o psicólogo faça um bom trabalho é indispensável que ele consiga desenvolver a empatia com seus pacientes.

Assim ele consegue colocar-se em seu lugar, compreender seus sentimentos e perceber quais são os medos e as inseguranças que precisam ser trabalhadas no processo terapêutico.

Além de conseguir colocar-se no lugar de seu paciente, é preciso que o psicólogo desenvolva a aptidão de compartilhar as emoções vividas por ele, estabelecendo uma verdadeira ligação emocional com as questões apresentadas na terapia.

EMPATIA E SIMPATIA

A empatia é diferente da simpatia, porque a simpatia é maioritariamente uma resposta intelectual, enquanto a empatia é uma fusão emotiva. Enquanto a simpatia indica uma vontade de estar na presença de outra pessoa e de agradá-la, a empatia faz brotar uma vontade de compreender e conhecer outra pessoa.

A simpatia, por exemplo, costuma unir as pessoas através das afinidades, ou seja, do que elas possuem em comum. Já a empatia não costuma acontecer necessariamente por afinidade, já que ela ocorre por um processo de compreensão da situação vivida pela outra pessoa.

COMO SENTIR EMPATIA

Cada pessoa é única - Não existe uma "receita" predefinida de como devemos lidar com as pessoas. Cada indivíduo é único e essa é a beleza da vida.

Ao sentirmos empatia por alguém estamos nos sensibilizando pela realidade do próximo. Isso é essencial para que as pessoas possam se respeitar e aprender a viver com as suas diferenças.

A empatia é a principal ferramenta para a compreensão e paz geral, pois graças a este sentimento conseguimos nos "pôr na pele" de outras pessoas e, consequentemente, entender as razões por trás de suas ações.

Escutar antes de falar - Você nunca conseguirá ser empático se não parar e observar. A empatia requer que o egocentrismo seja deixado de lado para dar espaço ao altruísmo, ou seja, ajudar outras pessoas sem intenções egoístas.

Saber ouvir é muito importante. Mesmo quando você pensa não ser capaz de dizer algo para ajudar alguém, por exemplo, quando está ouvindo atentamente o que a outra pessoa tem a dizer, as palavras certas de conforto acabam por aparecer.

Ah, e nem sempre as palavras são necessárias. Um abraço, um beijo ou mesmo um tapinha nas costas, quando feito com sinceridade, já é um sinal de que você se "contaminou" pelo sentimento que aflige ou contagia o próximo.

A importância da linguagem corporal - A linguagem corporal é muito importante na hora de criar laços empáticos. Psicólogos afirmam que pequenos gestos podem simbolizar o seu nível de empatia para com determinada pessoa.

Por exemplo, tente não conversar com os braços cruzados ou sempre a bocejar, pois demonstra falta de interesse. Também é importante que você apresente pequenos sinais de concordância, indicando que está prestando atenção ao diálogo (como balançar a cabeça afirmativamente).

Um sorriso ou um abraço podem ser mais importantes do que qualquer discurso. Não se esqueça disso.

Abandone os julgamentos - Ser empático é ter a habilidade de não fazer julgamentos com base em suposições egoístas. Afinal de contas, como já dissemos, a empatia está baseada na compreensão do próximo. E o mundo é muito mais daquilo que você vive ou julga ser o correto.

Às vezes, presenciamos uma atitude de outra pessoa que parece ser incorreta ou despropositada. Por causa disso, muitas pessoas criam uma imagem negativa daquele indivíduo, tendo em conta o que presenciou. No entanto, existem mil e um motivos que possam ter desencadeado aquela reação na pessoa, como a perda de um familiar, do emprego, etc.

E é aí que entra a sensibilidade da empatia. Você precisa tentar entender a história por trás das ações, se pôr no lugar daquele indivíduo e, somente assim, será capaz de entender por que houve aquela reação inesperada, por exemplo.

Um bom exercício para praticar a empatia nesse caso é tentar compreender as ações daquelas pessoas que te irritam. Este é o caminho rumo a tolerância social.

A empatia é um sentimento genuíno e que deve ser valorizado. Ser empático não é agir com falsidade, ou seja, fazendo de conta que se importa com o próximo.

Portanto, se você é daqueles que crítica o sentimento de empatia alheio, provavelmente está precisando trabalhar a sua capacidade de se colocar no lugar do outro. É muito importante praticarmos isso, afinal de contas, sem a empatia os seres humanos já teriam sido extintos há muito tempo.

 

Siga o Jornal eCuesta no Twitter @Jornal_eCuesta