O silêncio dos lobos

Um lobo branco, de pé, em cima de uma montanha, observando a paisagem das montanhas e florestas à sua frente, tendo uma névoa ao fundo e neve nas montanhas mais altas. O céo está parcialmente nublado

Por: Roberto Singer | Jornal eCuesta
Imagem: Reprodução | Internet

Navegando pela Internet, me deparei com este texto de Aldo Novak que me fez refletir sobre algumas posturas que, não somente eu, mas, muitos, têm adotado ultimamente diante de certas postagens, comentários e outros absurdos que nos tiram do sério e fazem com que percamos a paciência e a nossa educação. Depois de ler e reler este texto, chego a conclusão de que o silêncio em certas ocasiões, é a melhor forma de responder ao nosso interlocutor. Leia o texto e depois me diga… é ou não é o melhor caminho?

O SILÊNCIO DOS LOBOS

Pense em alguém que seja poderoso… Essa pessoa briga e grita como uma galinha, ou olha e silencia, como um lobo?

Lobos não gritam. Eles têm a aura de força e poder. Observam em silêncio.

Somente os poderosos, sejam lobos, homens ou mulheres, respondem a um ataque verbal com o silêncio. Além disso, quem evita dizer tudo o que tem vontade, raramente se arrepende por magoar alguém com palavras ásperas e impensadas.

Exatamente por isso, o primeiro e mais óbvio sinal de poder sobre si mesmo é o silêncio em momentos críticos.

Se você está em silêncio, olhando para o problema, mostra que está pensando, sem tempo para debates fúteis. Se for uma discussão que já deixou o terreno da razão, quem silencia mostra que já venceu, mesmo quando o outro lado insiste em gritar a sua derrota.

Olhe. Sorria. Silencie. Vá em frente.

Lembre-se de que há momentos de falar e há momentos de silenciar. Escolha qual desses momentos é o correto, mesmo que tenha que se esforçar para isso.

Por alguma razão, provavelmente cultural, somos treinados para a (falsa) idéia de que somos obrigados a responder a todas as perguntas e reagir a todos os ataques.

Não é verdade !

Você responde somente ao que quer responder e reage somente ao que quer reagir. Você nem mesmo é obrigado a atender seu telefone pessoal. Falar é uma escolha, não uma exigência, por mais que assim o pareça. Você pode escolher o silêncio.

Além disso, você não terá que se arrepender por coisas ditas em momentos impensados, como defendeu Xenocrates, mais de trezentos anos antes de Cristo, ao afirmar: "Me arrependo de coisas que disse, mas jamais do meu silêncio".

Responda com o silêncio, quando for necessário. Use sorrisos, não sorrisos sarcásticos, mas reais. Use o olhar, use um abraço ou use qualquer outra coisa para não responder em alguns momentos.

Você verá que o silêncio pode ser a mais poderosa das respostas. E, no momento certo, a mais compreensiva e real delas.